Cerejas

Silêncio

A Câmara Municipal está tratando de abolir os barulhos harmoniosos da cidade: os auto-falantes e as vitrolas. [...]
Gosto daqueles móveis melódicos e daquelas cornetas altíssonas. Fazem bem aos nervos. A gente anda, pelo centro, com os ouvidos cheios de algarismos, de cotações da bolsa de café, de câmbio, de duplicatas, de concordatas, de "cantatas", de negociatas e outras cousas chatas. De repente, passa pela porta aberta de uma dessas lojas sonoras e recebe em cheio, em plena trompa de Eustáquio, uma lufada sinfônica, repousante de sonho [...] E a gente pára um pouco nesse halo de encantado devaneio, nesse nimbo embalador de música, até que a altíssima farda azul marinho venha grasnar aquele horroroso "Faz favorrr, senhorrr!", que vem fazer a gente circular, que vem repor a gente na odiosa, geométrica, invariável realidade do Triângulo - isto é, da vida."
Urbano (Guilherme de Almeida), 1927.

27 de dezembro de 2017

Eldorado Subterrâneo da Canção - Ponteiros

Meu parceiro Pablo Castro, assíduo escrevinhador dessa página, depois de longo hiato volta com a série "Eldorado", agora trazendo também análises de bolachas completas, remetendo assim a outra seção consagrada aqui do blog. 


Vou aproveitar a última semana do ano e fazer algo que tinha me prometido: escutar atentamente os discos lançados em 2017, e falar um pouco sobre alguns deles.
Começando pelo magnífico disco de estréia da compositora, pianista e cantora Pamelli Marafon , chamado Ponteiros. Uma obra inusitada que apresenta uma criadora inquieta, possuidora do ofício de musicista com notável domínio do piano, dos arranjos , das harmonias intrincadas e inventivas, e de melodias às vezes simples, às vezes cromáticas, mas sempre cuidadosas. Percebe-se em Pamelli a filiação àquele inominado gênero de cancionistas, que , embora munidos até os dentes de idéias puramente musicais, conseguem achar o fio condutor da letra como norte tanto para a melodia quanto para a harmonia.

Pamelli tem uma assinatura tanto como letrista quanto como compositora, e a relação dos dois vetores é muito consistente, com a invenção formal como tônica das 10 faixas, 9 canções e um choro instrumental altamente intrincado que prova a veia de arquiteta musical da paulistana que vive em Minas.

"Viver é se perder no emaranhado de você no sincopado de um desejo arbitrário" , como diz a performática " Eu Tenho Problemas com Regras" , alternando um roquinho 6/8 com um baião que, na aceleração da melodia, faz com que a conclusão de uma reflexão que tende ao lirismo se resolva numa condensação de sentido que figura, de algum modo , como resposta às indagações de inadequação do seu eu lírico.


Tango da Lua seja talvez a canção mais redonda, mais "convencional", com melodia envolvente, e sessões mais ortodoxas de A, B, introdução, coda, etc. " Onda de azar mais sete vida / por seis vidas procurei você / nem na sete encontrei
dou risada na oitava sendo a mais feliz escrava do meu reino coração" diz a letra que projeta um sonho lúdico um sentimento romântico, tão raro hoje entre cantautoras : "num atalho do caminho lá pra irará / tinha o bosque solidão e você o anjo amigo que roubou minha alma e coração meu canto meu sonhar
fez da vida um samba bom e me deu anel de vidro pra sonhar" .


Aliás, a escrita de Pamelli não poupa a expressão "minha alma", ícone do lirismo que parece ter sido varrido para debaixo do tapete de nosso espírito do tempo. Assim ela fala de Minas Gerais, onde, "não sei por que é tão bonito / sobe desce o morro esse chão deu tanto ouro / sobe desce a vida na ladeira da rotina trabalhar" , e muito sinceramente declara que "canção é o que liberta a minha alma / todo dia é dia de labuta e poesia
faz rima de dor com alegria pra poder continuar".


A canção Água, que fecha o álbum, me lembra do conceito de "Think About Your Troubles", de Harry Nilsson, que fala do ciclo alimentar; Pamelli fecha o ciclo da água sem poupar seus usos mais sujos, se distanciando de qualquer possível idealização purista da mãe água. O refrão, que podia ser cantado mais vezes, reza : " água lava a sujeira do lugar / mas quem que vai lavar água do mar? " .

A sonoridade do disco tende à canção de câmara, tão profícua no que chamo de Eldorado Subterrâneo da Canção Mineira, especialmente no trabalho de nomes como Rafael Martini, Rafael Macedo, Alexandre Andrés, com a preferência pelas madeiras, flautas, clarinetes, também acordeons, sempre com o piano de Pamelli para dar o fio, e com as cordas preciosas do parceiro e arranjador Tabajara Belo, que arrebenta nos violões, guitarras e bandolins e arranjos. A bateria e a percussão são escassas no disco, privilegiando os sutis mosaicos das alturas.

Acho lindo mesmo que uma cantora e compositora arrojada como Pamelli exista assim, meio que silenciosamente no Brasil, fazendo um disco como esse meio que sem ser notado. Porque o que ela revela é uma grande inventividade justamente no âmago do que tem sido sistematicamente boicotado na cultura musical do Brasil: autenticidade e sinceridade nas letras, criatividade na música, fruto de um mergulho profundo nesse limbo que é fazer canção com esse grau de artesania, em português. O piano dela fala muito , e não a deixa mentir ! 

Nota do Editor:
O disco pode ser ouvido pelo Spotfy [ouça aqui]
Posto aqui também vídeos com algumas das canções que figuram no disco,
com outras roupagens. 






10 de dezembro de 2017

INQUIETAÇÃO

Se muita coisa não correu como eu queria neste ano de 2017, tenho muito o que celebrar nas minhas atividades musicais. Compus muito, com vários e novos parceiros. Isso propiciou uma diversificação de estilos, de processos e de trocas, enriquecendo enormemente minha atividade de criação. E tudo isso acompanhado de preciosas amizades, complementando a mútua aproximação artística. Para mim uma coisa anda junto da outra, parceria junto com amizade é fundamental. Uma dessas coisas que aprendi sendo fã de Clube da Esquina. Alias, poucos eu conheço que são tão fãs quanto esse meu jovem parceiro, Artur Araújo, cearense que trilhou a estrada pra Minas e já pode se considerar mineiro por adoção. Além de talentoso, ele é muito dedicado à carreira, e vejo ele cada vez mais seguindo os rumos que a música lhe propõe. Ele tem esse dinamismo, essa busca. 
Não foi por acaso, assim, que a primeira música que me mandou para que eu desse letra vinha nomeada como Inquietação. Conversamos para que eu pudesse me acercar dos sentimos e ideias que haviam influenciado a música. Entendi o espírito da coisa, ainda que não imaginasse ainda uma solução que pudesse partir do título sugerido. Achei a princípio até um tanto improvável que fosse possível incorporá-lo propriamente à letra. De todo modo, procurei, o quanto antes, encontrar o fio do novelo para puxar. Ultimamente venho recorrendo a um expediente que tem dado bons frutos, que é aproveitar textos já criados com a intenção de virar canções para aditivar a escrita de outras letras. Encontrei então uns antigos versos que tinham um clima noir, que falavam de becos e de personagens soturnas, intitulados 'Assovio'. Ali era o assovio, algo que se esgueirava, que passava entre pedras, que propunha a ideia de algum tipo de resistência, de desafio da ordem. Pensei que combinava com a música, algo misteriosa e grave, e que tinha um eco de While my guitar gently weeps do Harrison, algo que surgiu na conversa com o Artur. A melodia gentilmente sinuosa remete também ao traço, à grafia. Peguei daí o mote do grafite, insinuado num verso de Assovio mas que eu tornei central para a nova letra. Outra inspiração foi o universo imagético de The lamb lies down on Broadway, do Genesis, em que Peter Gabriel projetou nas letras seu alterego rebelde do aerosol, Rael. Assim fui construindo uma letra mais icônica, visual, em alguns momentos até dispensando os verbos, soltando palavras devotadas a passar o conceito básico. E finalmente encontrei uma forma de inserir a Inquietação do título no corpo da letra, transferindo para o protagonista o próprio ato de ver, ou melhor, de antever "os sinais". É a afirmação de que essa figura marginal tem a habilidade de sentir as tensões, desafiar o estabelecido e descobrir o imprevisto.



Clique aqui para ouvir pelo facebook , na versão apresentada no show

Inquietação
Música de Artur Araújo, Letra de Luiz Henrique Garcia

Entre trevas
Num beco frio
mensageiro,
assovio

Atravesso
bueiros vis
dos letreiros
neon desvio

Ao relento, comando só
Fiz grafite no muro cru
Apresento aos irmãos do pó
o cordeiro do dorso nu

sujem as mãos
abram desvãos
fujam dos cães
rompam grilhões

aos sinais
de inquietação (x2)

Ruas vastas
Parede em cio
Nada abate
As bestas que crio

Ódio, açoite
eu denuncio
Traço, faca
palavra, fio

Pestilento odor do fel
Feito lança me corta o ar
Fico atento aos sinais do céu
Vista alcança o que insinuar

Sujem...

aos sinais
de inquietação (x2)

Pestilento (volta)

sujem as mãos
abram desvãos
fujam dos cães
rompam grilhões
sujem as mãos de pó...

8 de dezembro de 2017

Equilíbrio e esperança

Mesmo onde aparentemente não, a cultura diz muita coisa. O uso do sarcasmo (e outros efeitos de linguagem) para nomear operações da Polícia Federal denota a transformação de processos internos que deveriam ser conduzidos na maior sobriedade em parte de um espetáculo armado cuja finalidade certamente vai além de apurar o que quer que seja, assumindo conotação política evidente a qualquer observador mais atento. Já disse isso antes. Agora volto ao tema diante desse circo armado pra cima da UFMG, com condução coercitiva do reitor, de sua vice, e outros professores da instituição, dia 06/12 último. Usar como nome "Esperança equilibrista", trecho da canção de João e Aldir, verdadeiro hino da Anistia, com patente escárnio sobre a nossa História, sobre a digna trajetória dos perseguidos políticos, e dos próprios autores da canção, denota exatamente a forma pouco comprometida com o Estado Democrático de Direito que a PF tem adotado, e não é de hoje. Não estou contra qualquer investigação, desde que seja feita dentro dos parâmetros legais. A defesa da Universidade Pública não é incompatível com a defesa da Justiça. Pelo contrário. Não há como construir Universidade, e de todo NADA público, sem Justiça. Não devemos confundir pessoas e instituições, e muito menos um órgão policial do Estado pode fazê-lo. O abuso desse expediente de condução coercitiva tem sido constante. A falta de cuidado com a forma como se investiga, considerando inclusive a presunção de inocência, tem consequências trágicas. É uma barbárie que o suicídio do Cancellier não baste. Nossa 'infraestrutura' jurídica toda ruiu e poucas são as vozes que se elevam para alertar sobre esses abusos, pois interesses políticos os mais reles estão à frente de tudo. Um país em que os próprios poderes constituídos, os representantes eleitos e/ou investidos dos 3 poderes da república, atuam de caso pensado enquanto comparsas para destroçar e privatizar o ensino, com a conivência ou participação ativa de uma parte considerável da população mais escolarizada pode ser outra coisa que não o que já somos?  Não há essa oposição binária entre impunidade e autoridade sem limite. Investigar sem responsabilidade e sem compromisso com os direitos e procedimentos adequados não tratará o fim da corrupção. Já trouxe as trevas, e com ela a caça seletiva às bruxas.

No mesmo dia realizamos um ato junto à reitoria da UFMG em repúdio à forma com que a PF conduziu coercitivamente os colegas, entre eles os atuais reitor e vice-reitora, desrespeitando os procedimentos devidos e transformando sua ação em espetáculo quando deveria ser realizada com a sobriedade que a gravidade das acusações exige. Comentei com vários colegas que estava certo que causaria indignação a João Bosco e Aldir essa apropriação desrespeitosa de sua canção tão emblemática e representativa para nossa história. As reações de ambos foram justíssimas e imediatas:

"Recebi com indignação a notícia de que a Polícia Federal conduziu coercitivamente o reitor da Universidade Federal de Minas Gerais, Jaime Ramirez, entre outros professores dessa universidade. A ação faz parte da investigação da construção do Memorial da Anistia. Como vem se tornando regra no Brasil, além da coerção desnecessária (ao que consta, não houve pedido prévio, cuja desobediência justificasse a medida), consta ainda que os acusados e seus advogados foram impedidos de ter acesso ao próprio processo, e alguns deles nem sequer sabiam se eram levados como testemunha ou suspeitos. O conjunto dessas medidas fere os princípios elementares do devido processo legal. É uma violência à cidadania.
Isso seria motivo suficiente para minha indignação. Mas a operação da PF me toca de modo mais direto, pois foi batizada de “Esperança equilibrista”, em alusão à canção que Aldir Blanc e eu fizemos em honra a todos os que lutaram contra a ditadura brasileira. Essa canção foi e permanece sendo, na memória coletiva do país, um hino à liberdade e à luta pela retomada do processo democrático. Não autorizo, politicamente, o uso dessa canção por quem trai seu desejo fundamental.
Resta ainda um ponto. Há indícios que me levam a ver nessas medidas violentas um ato de ataque à universidade pública. Isso, num momento em que a Universidade Estadual do Rio de Janeiro, estado onde moro, definha por conta de crimes cometidos por gestores públicos, e o ensino superior gratuito sofre ataques de grandes instituições (alinhadas a uma visão mais plutocrata do que democrática). Fica aqui portanto também a minha defesa veemente da universidade pública, espaço fundamental para a promoção de igualdades na sociedade brasileira. É essa a esperança equilibrista que tem que continuar."
João Bosco

07/12/2017


"Depois da operação 'Esperança Equilibrista', João Bosco e eu esperamos que a Polícia Federal prenda também Temereca, Mineirinho Trilhão157, que foi ajudado pela Dra. Carmen Lúcia, e o resto, aquela escória do Quadrilhão que impera, impune, no Plabaixo. 

A nova Operação se chamaria 'De frente pros crimes' dos que sempre ficam impunes, com ajudinhas de Gilmares, Moros, PFs, etc.
Também esperamos que ninguém se suicide ou seja suicidado nessas operações, o que já é marca registrada das forças repressoras que servem aos direitistas do Brasil." 
Aldir Blanc, 07.12.2017

Tudo que gira em torno dessa apropriação indébita e escarnecedora sinalizam, a despeito, a centralidade da canção para a cultura e a vida social brasileiras. A repercussão da escolha dessa nomeação produz simultaneamente um embate simbólico inevitável e uma oportunidade para pensar a crise porque passamos. Nesse sentido, de imediato corroboro o que disse a colega Miriam Hermeto, do Depto. de História da UFMG na entrevista que segue:





O Bêbado e a Equilibrista (João Bosco/Aldir Blanc)

Caía a tarde feito um viaduto
E um bêbado trajando luto
Me lembrou Carlitos

A lua, tal qual a dona do bordel,
Pedia a cada estrela fria
Um brilho de aluguel

E nuvens, lá no mata-borrão do céu,
Chupavam manchas torturadas, que sufoco!
Louco, o bêbado com chapéu-coco
Fazia irreverências mil pra noite do Brasil.
Meu Brasil

Que sonha com a volta do irmão do Henfil.
Com tanta gente que partiu num rabo de foguete.
Chora a nossa pátria mãe gentil,
Choram Marias e Clarisses no solo do Brasil.

Mas sei que uma dor assim pungente
Não há de ser inutilmente, a esperança
Dança na corda bamba de sombrinha
E em cada passo dessa linha pode se machucar

Azar, a esperança equilibrista
Sabe que o show de todo artista
Tem que continuar...

Pra encerra, ouçamos a canção na interpretação consagrada da grande Elis Regina:


12 de novembro de 2017

CIDADE DE AÇO

Como geralmente costuma ocorrer na minha vida dupla como professor e compositor, justamente quando eu mais preciso me concentrar num desses lados o outro parece que resolve se manifestar com força. Final de semestre portanto é de lei, preciso corrigir trabalhos, lançar notas, cuidar do fechamento de disciplinas, mas as demandas para novas letras e canções costumam aparecer com força. E são inclusive, muito mais prazerosas de se atender, via de regra. Em meio a trabalhos e parcerias sou brindado com esse vídeo do Raul Mariano tocando a primeira que fizemos, Cidade de aço. Posso dizer que foi um começo muito promissor. Como já devo ter escrito algumas vezes, não sou daqueles letristas por encomenda, que encaram a coisa de um ponto de vista estritamente profissional. Pra mim é uma aproximação na arte e na vida. A parceria só rola com quem eu sinto essa afinidade e compartilho perspectivas estéticas e visões de mundo, além de uma admiração mútua. Tenho sido muito felizardo quanto a isso, e meu leque de parcerias aumentou muito nos últimos anos. Cada parceria é uma história, uma alquimia diferente. E também os métodos de composição podem variar de acordo com essa química.

Não sei de estatísticas mas é muito provável que em canção popular seja mais raro que um texto seja musicado do que o inverso. Até mesmo quando a mesma pessoa faz letra e música, é mais corriqueiro que surja primeiro a música. Estou certo que já coloque mais palavras para os sons que me chegaram, também. Mas tenho o hábito de, vez por outra, escrever algo que eu imagino ser uma letra de canção, ainda que a música seja algo subentendida, insinuada. Não considero isso de forma alguma um poema, porque eu costumo pensar num gênero, nas suas convenções, e também na forma, colocando muitas vezes um refrão, ou indicando um "B", enfim, já pensando que o destino daquele texto é ser derramado num canal melódico. Cidade de aço foi assim. Parti de uma experiência bem pessoal, que foi ter lecionado no Vale do Aço, em Minas Gerais, cuja cidade mais populosa é Ipatinga. Claro que isso é apenas um mote inicial, e evidentemente a escrita não está presa à concretude do que se vive. 

Comecei a pensar em toda uma tradição do cancioneiro popular sobre migrantes, êxodo rural, a dureza da vida nas grandes metrópoles para quem saiu da sua terra em busca de dias melhores. Usei nas estrofes iniciais o esquema ABBA, ou seja, rimas interpoladas. e no refrão fui menos formalista, ainda que haja rimas intercaladas. Enfim, é um lance muito simples e direto, uma canção engajada bem básica. Quando o Raul me pediu um material para arriscarmos sair uma canção, remexi no baú e encontrei essa, que tinha sido feita por volta de 10 anos antes, na época. A gente nunca sabe quando essa semente vai brotar. Me impressionei logo pois não demorou muito pra ele me devolver uma primeira investida na feitura da canção. Ouvi, curti o balanço, mas achei que não era por ali. E aí pinta aquele momento chave em que descobrimos se a parceria funciona ou não, quando a gente precisa falar o que pensa para o parceiro e sentir que há uma confiança mútua, feita para encarar de peito aberto as dúvidas e desafios da criação. Expliquei melhor o que tinha imaginado musicalmente enquanto escrevia e o Raul captou muito bem, tanto que logo em seguida veio com o andamento e interpretação mais afinada ao que eu tinha pensado. Trocamos ainda ideias sobre possíveis arranjos, algumas delas talvez perdidas no limbo das conversas no ciberespaço. Juntando tudo no que, depois de tanto tempo da letra que ficara hibernando numa pasta do meu computador num arquivo txt, foram alguns dias de trabalho dele, sem que eu tenha feito qualquer revisão notável do que havia escrito, e finalmente deu-se por inaugurada essa parceria que já rendeu outras tantas, e certamente ainda tem muito que gerar pela frente.




Cidade de aço (Luiz H. Garcia/ Raul Mariano)

Pelas curvas traiçoeiras
eu sigo no meu caminho
qual quixote sem moinho
mercador sem algibeiras

Trago nada que não seja
o sol brilhando na testa
e a esperança quinda resta
no punho de quem peleja

> refrão
Muita gente que nem eu
 já veio no mesmo traço
 fiando de fazer a vida
 na cidade de aço

> *2 parte refr:
E na hora derradeira
 o corpo sente cansaço 
 a vida perdeu seu fio
 na cidade de aço

Ao longo das ruas frias 
o sol lambendo vitrine
antes que o dia termine
volto ao lar de mãos vazias

Sei que lutar é preciso
contra o que não sei direito
mas tiro esse grito do peito
no semblante boto aviso

> Muita gente que nem eu
 já veio no mesmo traço
 fiando de fazer a vida
 na cidade de aço

>  Mas na hora verdadeira
 de erguer tudo no braço
 tô firme na dura lida
 da cidade de aço


8 de novembro de 2017

O POVO PROMETIDO

Faz tempo que não posto aqui uma novidade da produção cancional. Para matar a saudade, eis que pintou um vídeo de uma parceria nova, saindo do forno, que fizemos por esse dias eu e  o Pablo Castro. As inspirações iniciais são óbvias, o violãozinho gilbertiano filiado em Refavela e a letra, iniciada pelo Pablo - como de resto tem sido várias de nossas últimas parcerias - começou, nas palavras dele, "(...) querendo escapar desse cárcere tenebroso do presente histórico, tentando entender as grandes linhas da história. Em vez da terra prometida, comecei a aspirar pelo povo prometido". Tenho sempre em mente que ser historiador claramente me afeta enquanto compositor também. Mas poucas vezes isso fica tão evidente no que eu faço como nessa. O mote estava ali e eu não poderia deixar de segui-lo. Era uma canção já redondinha, no formato A-A-B, repetido 3 vezes. Partindo de uma arguta apropriação do mote bíblico da terra prometida, a letra propunha uma visada de longo alcance sobre a História, partindo das cruzadas e caminhando rumo à colonização - ia até o "idílio dos tupinambás" - e sugeria uma leitura crítica que desembocaria numa outra promessa. Meu trabalho portanto era conduzir adiante esse esforço de síntese - o que é a canção senão síntese? Nesse sentido o historiador teve que se permitir muitas licenças poéticas, caso contrário iria ter que escrever um livro e não uma letra de música. Consegui fazer o foco ir se deslocando entre a História do Brasil e contextos mais amplos, ainda que definitivamente pesando mais pra cá. É certamente uma interpretação muito crua e altamente politizada, provavelmente panfletária, que apela sem constrangimento para a saída da revolução popular e lança mão de um sem número de imagens recorrentes na tradição das canções de protesto e do engajamento político na arte. Sem culpa nenhuma, diga-se de passagem. É meio uma mistura de discurso de Antônio Conselheiro em filme de Gláuber Rocha com trechos de Caio Prado Jr. discutidos na cantina da Fafich. Lembrei de muita coisa que li sobre movimentos milenaristas, revoltas populares e afins. Inclusive o livro do historiador britânico Christopher Hill, de onde eu saquei a expressão "O mundo de ponta-a-cabeça", que ele mesmo explica ser um clichê de movimentos populares diversos, chamado por inversão da ordem como na conhecida frase atribuída ao Conselheiro, "O sertão vai virar mar, o mar vai virar sertão". É impressionante a radicalidade desses movimentos. Nenhuma revolução prescinde dessa ideia de inversão dos termos, de reordenação do mundo. É possível reconhecer um eco de canções brasileiras dos anos 1960, e eu certamente me lembrei de várias delas enquanto bolava os últimos versos. Deixei por outro lado um distanciamento irônico - se é com deus ou sem - mas aquela certeza redentora, o povo prometido chega e canta. Provavelmente poderão chamar tudo isso de panfletário, idealista, ingênuo, populista. Nem sempre isso será um demérito, mas quando for eu creio que é o caso de assumir a decisão de dizer algo com um pouco mais de convicção num tempo abarrotado de incerteza e de discursos ambíguos e enviesados, quando não desonestos. Nesse sentido, para o melhor e o pior, isso é uma canção popular e não uma tese de doutorado. 
Sobre aspectos mais formais, não tem tanto o que dizer. Algumas brincadeiras aqui e ali, rimas internas, citações, e um detalhe que vale a pena mencionar que é a inserção marota de todas as peças do tabuleiro de xadrez - jogo pelo qual nós dois nutrimos grande apreço há bastante tempo. Claro que não se trata só de um lance formal, já que o xadrez é ele próprio uma representação da sociedade e uma encenação de uma batalha.


Aviso: Infelizmente não consegui incorporar o vídeo como faço sempre, para ouvir a canção tem que acessar o link de facebook, aqui



O povo prometido
(Pablo Castro/Luiz Henrique Garcia)

As narrativas que a História traça
da terra prometida pra ninguém
montanhas removidas, vãs batalhas
pelo domínio de Jerusalém

Em nome da rainha os piratas
garantiam sempre o chá das seis
e os alemães, franceses e batavos
cavalos a serviço de outros reis

Aqui a América era um mundo longe
um estranho idílio dos tupinambás
fincaram a cruz no coração da terra
a sugar

As feitorias, chagas pela costa
a escravidão verteram pelo mar
um oceano negro então se espalha
de desterrados filhos de Oxalá

Por ordem da Coroa a Companhia
lavrou a gente, a planta e o animal
os galeões no porto abarrotados
da conversão de sangue em vil metal

Aqui o Império feito uma aquarela
pros pretos, pardos, pobres n'aguarrás
a fé, café, moinho, latifúndio
açúcar

Entre monarcas e usurpadores
Sebastiões que nunca surgirão
muitos peões pedindo aos pés das torres
numa revolta o céu assaltarão

Sem coronéis nem gringos conspirados
os desprovidos podem prosperar
botar o mundo de ponta-a-cabeça
meter as mãos na prata do jantar 

Aqui os canibais devoram bispos
Macunaímas sorvem guaranás
Com deus ou sem o povo prometido
a cantar